Varicela

Varicela
0 0
Read Time:7 Minute, 32 Second

VaricelaA Varicela é uma doença contagiosa causada pela infeção com o vírus Varicela-Zoster. A doença provoca erupções cutâneas características na pele onde se formam bolhas pequenas que ganham crosta. Normalmente começam no peito, nas costas e na cara, espalhando-se depois para o resto do corpo. Outros sintomas são a febre, a fadiga e dores de cabeça. Os sintomas começam-se a manifestar entre dez a vinte e um dias após a exposição ao vírus e geralmente duram entre cinco a dez dias. A doença é muitas vezes mais grave nos adultos do que nas crianças.

A varicela é uma doença que se transmite facilmente por via aérea, através da tosse e espirros da pessoa infectada. É contagiosa desde um a dois dias antes do aparecimento das manchas na pele até que todas as lesões tenham cicatrizado. Pode também ser transmitida através do contacto com as bolhas. A doença é geralmente diagnosticada com base nos sintomas manifestados. É possível realizar exames aos anticorpos para determinar se uma pessoa é ou não imune à doença. O normal é uma pessoa contrair varicela apenas uma vez em toda a vida.

A vacina contra a varicela permitiu diminuir o número de casos e complicações da doença. Protege entre 70 a 90% das pessoas com a doença, sendo o benefício maior em casos graves. Em muitos países recomenda-se a vacinação de rotina das crianças. A vacinação nos três dias seguintes à exposição pode melhorar o prognóstico em crianças. O tratamento de pessoas infectadas pode incluir pomada de calamina (pomada à base de óxido de zinco) para diminuir o prurido, deve-se cortar as unhas rentes de modo a diminuir as lesões por coçar e a administração de paracetamol para diminuir a febre (se esta existir o que nem sempre acontece).

A varicela ocorre em todo o mundo. Em 2013 ocorreram 140 milhões de casos de varicela e herpes zoster No mesmo ano, a varicela provocou a morte a 7000 pessoas, uma diminuição em relação às 8900 em 1990. Cerca de 1 em cada 60 000 casos resultam em morte. Antes da introdução da vacinação de rotina, o número de casos em cada ano era idêntico ao número de nascimentos. Nos Estados Unidos, desde que a vacinação foi introduzida o número de casos diminuiu 90%. Até ao fim do século XIX, a varicela não era considerada uma condição distinta da varíola. Em 1888 foi determinada a sua relação com a herpes-zóster.

Sinais e sintomas

A varicela é uma das várias doenças frequentes na infância que geram lesões arredondadas e avermelhadas por todo o corpo (exantemas). As outras com sintomas similares são sarampo, rubéola, roséola, escarlatina e o eritema infeccioso.

Os sintomas iniciais são:

  • Febre 37,5°C e 39,5
  • Mal-estar
  • Falta de apetite
  • Dor de cabeça
  • Cansaço
  • Lesões avermelhadas na pele

As lesões avermelhadas na pele, um dos sintomas mais característicos, aparece entre um ou dois dias depois da infeção quando surgem por todo o corpo e que conforme os dias passam vão-se tornando pequenas bolhas cheias de líquido. Eventualmente essas bolhinhas formam uma crostas que provocam muita comichão, mas que diminui o risco de transmissão.

Causas

É altamente infecciosa, infectando a maioria das pessoas que nunca tiveram a doença e passaram mais de uma hora na mesma sala que uma pessoa infectada ou que conversaram com um infectado. A transmissão dá-se por via aérea, em gotículas de espirros ou de tosse, ou pelo contato com as lesões avermelhadas (exantemas). Alguém com varicela começa a infectar outras pessoas cerca de um a dois dias antes das bolinhas vermelhas começarem a aparecer e continua a infectar pessoas por cerca de mais cinco a seis dias até que todas as bolhas tenham formado crostas. A transmissão também pode ocorrer durante a gestação (da mãe para o feto) causando complicações para ambos.

Fisiopatologia

O vírus entra no corpo pela via respiratória ou pela conjuntiva do olho (Conjuntiva é uma membrana mucosa que reveste a parte posterior da pálpebra que se prolonga para recobrir a esclera – parte branca do olho), É uma camada mucosa delgada, transparente, cuja função é proteger o globo ocular de corpos estranhos. Multiplica-se e dissemina-se pelo sangue, até à pele. O período de incubação até aparecerem as pústulas é de cerca de 21 dias.

As erupções maculopapulares ou exantemas são seguidas de erupções vesiculoeritematosas muito pruriginosas (ou seja, pústulas que causam comichão). As pústulas apresentam-se com base vermelha e cúpula transparente (“gota de orvalho em pétala de rosa”), com cerca de 3 milímetros de diâmetro. Várias gerações de exantemas surgem durante cerca de 4 dias, com vários estágios em diferentes áreas da pele simultaneamente (ao contrário da varíola). Os exantemas são mais frequentes na região torácica, mas podem aparecer em todo o corpo, incluindo no couro cabeludo e na mucosa oral.

A varicela normalmente é inofensiva, excepto em doentes com imunodeficiência ou em recém nascidos, em que pode causar infecções do cérebro ou do pulmão potencialmente mortais. Nos adultos, os sintomas são mais sérios e a doença mais perigosa, podendo levar à ocorrência de pneumonia intersticial (em 20% dos casos adultos ou na adolescência).

Diagnóstico

O diagnóstico é feito principalmente através do quadro clínico-epidemiológico. O vírus pode ser isolado para análise retirando exemplares das lesões vesiculares durante os primeiros 3 a 4 dias de erupção.

Prevenção

Existe uma vacina que deve ser tomada na infância a partir dos 12 meses de vida e reforço entre 4 e 6 anos de idade. Uma única dose, na ausência do reforço, pode não prevenir a doença, mas faz com que essa seja bem mais leve e pouco sintomática. Muitas vezes a varicela nos vacinados pode nem chegar a ser notada e diagnosticada. A vacina também pode ser fornecida às pessoas não vacinadas que tiveram contato próximo com doentes, para evitar ou amenizar o quadro da varicela.

A varicela tem vacina que visa a impedir a infecção primária, e assim sua reativação na forma de Zóster. Para que a vacina tenha efeito, ela deve ser aplicada no máximo até o quarto dia após o contato com enfermo. A vacina é contra-indicada em pessoas com imunidade baixa e durante o período de gravidez.

A vacina da Varicela não está incluída no Programa Nacional de Vacinação 2017 qe pode ser consultado em: www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2016/06/programa_vacinacao_sns.pdf

Limpeza local

Banhos com Bicarbonato de Sódio, soluções iodadas ou sabonetes bactericidas são comumente aconselhados para aliviar a comichão e ajudar na cicatrização rápida das feridas. No entanto, o uso incorreto pode causar queimaduras e reações alérgicas.

Infecções

Se houver início de infecção, podem ser receitados antibióticos. Entre os cuidados sugeridos ao paciente durante o período de infecção, estão cortar sempre as unhas e deixá-las bem limpas, evitando o contacto com pessoas com baixa capacidade imunológica. Usar roupas leves pode evitar calor e aliviar as coceiras, usar luvas na hora de dormir, e evitar ao máximo coçar as feridas que ajudam a evitar marcas permanentes.

Prognóstico

A maioria das crianças e adultos recuperam nalgumas semanas apenas com descanso e a beber muita água, mas alguns casos envolvem complicações como:

  • Pele mais vermelha
  • Dor no peito
  • Dores nos locais lesionados
  • Dificuldade de respirar

Nesses casos é sinal que as lesões estão infectadas e precisam de acompanhamento médico para administrar um antibiótico adequado.

Complicações são especialmente problemáticas em grávidas e recém-nascidos. Quanto mais cedo na gravidez for a infecção, maior o risco para o feto de desenvolver má-formações, porém mesmo cedo o risco dificilmente afeta mais que 2% dos fetos de grávidas com varicela. Já após o 5º  mês de gravidez pode ocorrer parto prematuro. Caso um recém-nascido seja infectado a varicela costuma ser mais grave.

Baixa imunidade

Quem possui um sistema imunológico muito debilitado pode ter como complicações:

  • Pneumonias
  • Septicemias
  • Meningites

Pessoas que tomem medicamentos para doença autoimune ou para cancro ou que tem Sida são particularmente vulneráveis a complicações.

História

O termo “varicela” origina-se do termo francês varicelle.

A Nossa Experiência

Os nossos dois filhos já tiveram Varicela e ambos antes dos dois anos.  O Mais velho que agora está com 5 anos teve também a doença dos Pés Mãos e Boca, que eu também apanhei, enquanto ele apenas teve meia dúzia de borbulhas, eu fiqueis com as mãos e pés (ambos nas palmas que é onde aparecem nesta variante) em tal estado que não conseguia agarrar o volante para conduzir nem calçar sapatos! Tanto o mais novo como o mais velho tiveram uma varicela ligeira sendo que o mais novo teve muito mais borbulhas que o mais velho, sendo que foi bastante pacifíco (tdentro do possível claro). Demos banhos com Bicarbonato de Sódio e utilizámos uma pomada (Xeracalm da Aven) bem como a médica receitou Atarax (xarope) para tomar ao deitar.

Deixem as vossas experiências nos comentários.

Este artigo foi adaptado da Wikipedia, muita informação foi cortada e muita foi acrescentada.

Caso tenham sugestão para emendas a fazer, comuniquem. Obrigado!

About Post Author

Pai

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Comments

comments